O encontro é o primeiro de muitos outros que a empresa irá realizar com pesquisadores, doutorandos, pós-doutorandos e estudantes de graduação de diversos cursos ligados ao setor agropecuário das universidades pernambucanas

Em mais uma ação cotidiana para promover a aproximação e integração entre os pesquisadores e os novos cientistas pernambucanos, o Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) realizou, nesta terça-feira (23), uma reunião (online e presencial) para troca de saberes sobre o direcionamento da ciência em Pernambuco, projeções e contribuições aos produtores rurais do estado. Desse primeiro encontro, participaram estudantes vinculados ao IPA, junto ao pesquisador Antônio Félix, que tem mais de 40 anos dedicados ao trabalho científico no instituto.

O diretor presidente do IPA, Joaquim Neto, esteve presente à reunião e reafirmou a disposição da empresa em promover outros encontros com os futuros pesquisadores. “Esse é a primeira reunião, mas vamos realizar muitas outras. O IPA é uma empresa que tem transversalidade, parcerias com várias instituições governamentais e não governamentais.  O que digo a vocês é que aproveitem muito esse momento aqui”, ressaltou o presidente.

Uma das participantes da reunião, a bióloga e doutoranda Marielle Porto, falou sobre a importância do seu trabalho de pesquisa ter a supervisão do pesquisador Antônio Félix. “A presença dele é muito importante, devido a sua formação de melhorista. Ele nos traz muitas informações e sempre nos acompanha no campo. Ele, realmente, é um pai científico”, assegurou.

Para a nutricionista, e também doutoranda, Keliane Lima, a parceria com IPA, especialmente com a Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento (DPD), é fundamental. “Atualmente, estamos trabalhando com desenvolvimento e formulação de produtos alimentícios, com o bioma da caatinga e utilizando para isso as estações experimentais do IPA, especificamente a de Ibimirim. Então, o papel do IPA é fundamental para o conhecimento científico do nosso estado”, observou.

Luciana Oliveira, que é bióloga e pesquisadora bolsista do IPA, enfatizou a dinâmica da empresa de trazer estudantes das universidades, principalmente a Universidade de Pernambuco, para essa aproximação com a empresa. “Com isso, a gente vai agregando mais recursos humanos, fazendo com que o conhecimento seja repassado cada vez mais”, afirmou.

O pesquisador Antônio Félix destacou que o IPA, como uma instituição estadual de pesquisa, trabalha para todo o estado, mas os resultados dessas pesquisas são utilizados no Brasil inteiro.

“As variedades do feijão, por exemplo, já foram cultivadas em Rondônia, Acre, Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Então, as pesquisas do IPA servem para o estado, para os agricultores, mas também têm abrangência nacional e até em outros países, como em alguns da África, onde as adaptações da cebola e do feijão deram excelentes resultados”, explicou Antônio Félix.

A reunião contou com a presença de pesquisadores, doutorandos, pós-doutorandos e estudantes de graduação da UFPE, da UFRPE e da UPE, de diversos cursos ligados ao setor agropecuário. Do IPA estavam presentes o diretor-presidente Joaquim Neto, junto ao assessor Hildelberto Rodrigues, o pesquisador Antônio Félix, o diretor de Pesquisa e Desenvolvimento, Henrique Castelletti, Eline Gomes, pesquisadora e gerente da Estação Experimental de Itapirema, Geraldo Majella, gerente do Departamento de Pesquisa e Agropecuária, e os pesquisadores José de Paula e Eric Carvalho.